Visitando blogs que eu amo me deparei com a postagem linda la no Leitura Fora de Série. Ela fala sobre Setembro Amarelo, pois o dia 10 deste mês foi marcado como o dia mundial de conscientização de prevenção ao suicídio. Então o Guilherme, dono do blog, é minha inspiração para está postagem.

 

2

4

Visto como um tabu pela sociedade, o suicídio  é considerado uma questão de saúde pública.  E pelas informações da imagem acima podemos ver que é algo que só tem aumentado com o passar do tempo e aqui no Brasil o número de casos por dia é alarmante.

Dados e estatística  a parte, quero falar sobre o maior causador deste ato, a depressão.  Quero falar sobre isso como paciente, como alguém que luta todos os dias contra o mal do século.

Divido esta doença em etapas . Vou começar pelos meus primeiros sintomas, que foram a mudança de humor, cansaço físico e mental, irritabilidade, falta de interesse em assuntos familiares e até pessoais. Hoje quando olho para trás, me impressiono com a demora em perceber que algo estava errado. Eu sofri com estes sintomas por mais de 6 meses e foi meus parentes que me alertaram.

Procurei ajuda médica e aí começou a parte mais difícil. Aceitar. O tabu é tão grande em torno destes temas que eu própria não aceitava o diagnostico, para mim era uma triste3za que iria passar, que isso era doença de rico. Mas ela não escolhe classe social, sexo ou cor e nem avisa quando vai chegar e ela me escolheu.

 

Três meses após o inicio do tratamento a dor falou mais alto e eu tentei tirar a própria vida. Não pense que me orgulho disso, muito pelo contrário! Eu sou mãe, sou filha e sou apaixonada pela vida, mas nada disso teve importância.  Por algum motivo, ainda não era a minha hora e hoje estou aqui desabafando com os leitores.

Confesso que com frequência essa dor tenta se reerguer, mas encontrei uma pessoa5 especial o suficiente para saber que o que tenho não é “frescura”, não é ” falta de problemas” ou coisa de “cabeça fraca” , que são coisas que ouço até hoje. Esta pessoa me ama, me apoia, enxuga as minhas lágrimas quando elas encistem em cair  e acima de tudo, me incentiva a desabafar, a falar, pode não parecer mais isso faz toda diferença.

 

Não costumo falar sobre mim nas postagens, mas abri está exceção pois a causa merece ser divulgada. Espero que de alguma forma tenha despertado no caro leitor o sentimento de empatia para com quem sofre com esta doença, para que não seja tarde demais.

As imagens aleatórias desta postagem foram tiradas do Google Imagens e é uma amostra das pequenas coisas  da vida que me dão prazer e me fazem manter o equilíbrio entre um coração louco de sentimentos e um cérebro desequilibrado quimicamente.

CVV: Centro de Valorização da Vida   ou disque 141

1

 

 

4 thoughts on “#Setembro Amarelo

  1. É realmente algo que precisa ser “falado”, precisamos conversar sobre isso, e tbm sobre a depressão (tbm já tive uma péssima fase e sei o quanto é doloroso). É tabu, pessoas tem preconceitos, enfim.
    Eu desconhecia que o mês de setembro era destinado a essa conscientização e achei muito válido e importante!

    Beijos
    Fran
    Achei e Rabisquei

    1. OI Fran.
      Uma pena assuntos assim serem deixados de lado por conta do preconceito, mas que todos os meses seja setembro na vida de pessoas que sofrem com estes problemas.

      Abraços.

  2. Oi Camila,
    Que lindo post! Eu já tinha lido sobre este assunto recentemente, infelizmente isso acontece com mais frequência que imaginamos. Eu mesma vivenciei isso a pouco mais de dois meses, quando o irmão de minha cunha se suicidou. Esta é uma bela campanha que precisa ser mais bem divulgada.
    Bjs❤
    Abrir Janela

    1. Line, sinto muito pela sua cunhada e família, é uma situação dolorosa para todos.
      Que a sociedade abra os olhos e enfrente o problema de frente.

      Beijos linda.

Deixe uma resposta