Com clima de suspense, o livro O Gosto do Sangue, do autor paulista Anselmo Duarte, é uma obra que aborda os temas violência à mulher, uso de drogas, desvio de personalidade, corrupção, atuação da polícia. Tudo com uma pitada de ocultismo, indicando que existe o carma e que se deve pagar o preço do mal feito em vidas passadas.

O enredo gira em torno de Rosana, uma jovem recém-graduada em arquitetura e que acaba de ser contratada pela Rossi, uma empreiteira que é comandada por um primo distante, Leandro. É através dele que ela conhece o Humberto. Este por sua vez apaixona-se perdidamente por ela, e os dois engatam em um romance aparentemente normal.

“Ela começa a caminhar e seus pensamentos fluem em sua mente em forma de questões sem respostas. “O que tá havendo? Será que tá apaixonado? Será que estou apaixonada? É muito cedo? Mas que beijo foi aquele? E que pegada? Por que eu gemi?” Ela sorriu em meio aos pensamentos e seguiu rumo ao seu apartamento com cara de feliz, espantada, curiosa, envergonhada… Na verdade, nem ela sabia.”

Entretanto, pouco sabia Rosana que Humberto era usuário de cocaína e apresentava alterações de humor quando utilizava a droga, tornando-se muito violento e inconsistente. Com o passar do tempo, a arquiteta percebeu que havia se envolvido com um demônio e procurou a ajuda da polícia.

“Ela se levantou rápido, tentando dar um soco no rosto nele, mas ele era mais rápido e desferiu um soco que atingiu sua testa. Ela caiu novamente no sofá. Levantou-se rapidamente, achando forças Deus sabe de onde, e conseguiu cravar as unhas em seu rosto. Ele gritou de dor e, em seguida, a empurrou. Quando ela se afastou, ele deu outro tapa forte em seu rosto, e o sangue jorrou da boca de Rosana.[…]”

Em uma narrativa cheia de ação, o leitor acompanha a luta de Rosana contra o obsessivo Humberto, que possui uma mentalidade machista e perturbada pela droga. Conseguirá Rosana se livrar do ex? Ou está ela fadada a uma vida de sofrimento, sempre sendo perseguida por ele e por suas abordagens violentas? Será que todo o sofrimento que passou já tinha sido escrito no destino?

Deixe uma resposta